Por mais que se evite
Uma despedida é sempre triste.

 

Não se quer dizer adeus, 
Nem por alguns instantes, 
Imagina o sofrimento, 
Com um adeus constante.

 

A despedida Maltrata, Dilacera.

 

A alma rompe, 
O ser corrompe. 

Por mais que se desvie 
Um adeus é sempre intolerante.

 

A despedida
É lástima, 
É lágrima, 
Drama,

Sofreguidão.

 

Age direto no ser, 
No coração,

Deixando marcas exeqüíveis.

O adeus é o desenlace 
De sentimentos,
De presenças.

 

O adeus é distância que se apresenta,
É a partida desesperada, 
É o esquecimento... 
Ou a lembrança vaga.

 

A despedida,
Por mais que se evite,
É sempre triste.

 

Seres que se separam,
E assim, sofrem, 
São vivências que se dissipam. 

A despedida
É a tão evitada renúncia, 
A tudo o que se pensava ter, 
A tudo que se pensava viver.

 

Uma palavra balbuciada... ADEUS.

 

Separação, Desilusão, Sonhos desfeitos. 

É despedida, Forjada em mágoas, 

Em lamentos, Em melancolia.

 

Uma palavra dita, Sua força... 
Nossa fraqueza... O adeus, a despedida!

 

Autora: Rubiane

 
Escolhi este poema porque no dia 21 de março de 2011 perdi a minha mae, a qual a devo muito e sinto muitas saudades,saudades estas que crescem de dia para dia com uma vontade enorme que isto tudo não passe de um pesadelo e que quando acordar, minha mãe esteja a minha espera para me abraçar e manter-me feliz e com vontade de continuar a viver.

publicado por pedro_13 às 14:10